tsevelelogo

sexta-feira, 13 agosto 2021 18:47

Cabeça do velho: um monte, vários mitos

Monte cabeca do velho-cidade de Chimoio Monte cabeca do velho-cidade de Chimoio

Há quatro quilómetros a norte do centro da cidade de Chimoio, na província de Manica, centro de Moçambique, localiza-se mais uma atracção natural de grande importância social e cultural, denominado monte "Cabeça do Velho".


O lugar, que guarda inúmeras historias, é objecto de grandes reflexões culturais. Ana Julião é uma jovem nativa com quem conversamos em torno deste lugar mitológico. A jovem estudante explicou que o monte ostenta o nome "Cabeça do Velho" pela sua forma. Possui formato de cabeça de um velho, virada para cima, boca semi-aberta como se estivesse a chorar ou a passar situação desagradável.

Cada detalhe do monte coincide com detalhes de um rosto humano, em situação de sofrimento, um facto realmente impressionante e comovente.

“Existem várias histórias sobre o surgimento deste monte, muitas delas ligadas a mitos e superstições”, explicou a nossa entrevistada.

São histórias transmitidas de geração em geração através da oralidade, embora nos últimos tempos haja tendência cada vez maior, de documentar esta rica herança cultural.

Esta variada gama de interpretações, desde socioculturais até místicas, biológicas, históricas, antropológicas e tradicionais, converge na ideia comum, da sacralidade do local.

Os residentes da cidade de Chimoio, prosseguiu a nossa fonte, consideram o monte como centro de adoração mitológica para vários fins, desde orações religiosas até a preces e cerimónias tradicionais para invocar os espíritos e pedí-los para que operem milagres nos vivos.

As pessoas da Cidade, sobretudo os jovens, gostam de escalar o monte em dias festivos ou feriados, para desfrutar da brisa e contemplar a beleza da mãe natureza, sendo por isso, um lugar turístico muito atractivo para quem gosta de fazer pequenas aventuras e buscar a paz do espírito.

O monte "Cabeça do Velho" carrega consigo mitos cuja crença generalizou-se por toda a comunidade circunvizinha e não só. Por exemplo, nunca se pode subir neste monte sem antes fazer uma oração, como forma de render homenagem e pedir permissão aos espíritos.

Há relatos de que em tempos, um grupo de jovens visitantes decidiu ir dar uma volta pelo monte, subindo a "Cabeça do Velho" sem primeiro ajoelhar-se para pedir autorização. “Todos eles voltaram descalços, vítimas de um assalto lá mesmo em cima do monte”, contou Ana Julião, residente na cidade de Chimoio.

Outro facto mitológico, segundo a nossa fonte, é que é comum notar-se presença de cabritos a se alimentarem lá em cima do monte, facto geralmente constatado ao fim do dia. Por estas razões, o monte, é considerado sagrado sendo por isso um cartão de visita para quem visite a cidade.
Não só escalam o monte os nativos, como também visitantes de outras zonas do país ou de fora, que procuram ver de perto o mítico monte, em pleno meio urbano.

Escrito por Amadeu Quehá para Tsevele

Anuncie