tsevelelogo

terça-feira, 07 dezembro 2021 20:19

Mandowa: o simbolismo e alegria expressos em uma dança

Mandowa: o simbolismo e alegria expressos em uma dança Mandowa: o simbolismo e alegria expressos em uma dança Fotografia gentilmente cedida por Jaime Muchanga

A dança Mandowa é uma dança tradicional originária do sul da província de Sofala, concretamente nos distritos do Buzi, Machanga e Chibabava. A dança chega à cidade da Beira por volta dos anos 40 e 50 com os estivadores, que vinham para a maior empregadora da altura, os Caminhos de ferro de Moçambique (CFM).

O termo Mandowa deriva provavelmente da coreografia que num dos passos os bailarinos executavam caindo. As informações indicam que na coreografia os passos tinham que acabar em queda. Etimologicamente Ndowa vem do verbo Ndaym Kuwa que significa cair, então quando a queda é feita por um dançarino, ele diz: Ndowa.  A Dança é geralmente praticada com mais frequência pelo povo da etnia Ndau, embora praticada também pelos povos Sena, Chuabo, etc.

Mandowa, a dança da alegria

Segundo o Sr. Jaime Domingos Muchanga, representante do grupo Tagumanicanave, a dança é tida como dança da alegria, pois esta é praticada em momentos de celebraçõescomo por exemplo as festas de final de ano, para comemorar a boa colheita nas maxambas, casamentos, lobolos, convívios entre os familiares, entre outros momentos que possam representar a alegria e a felicidade das pessoas.

Para dançar a Mandowa, é necessário que haja acompanhamento de alguns instrumentos musicais, nomeadamente: três (3) batuques, que são o Zimay (mãe grande) ou a base, o Mbaula do meio e o Chambaula. Para além dos batuques deve existir a Marimba, os Chocalhos e o Apito. Jaime  Muchanga refere ainda que o que dignifica esta dança é a própria Marimba, que traz luz e beleza para a execução da dança, que na zona sul do país esta carrega o nome de Timbila, pois no termo Mandowa, o “Ma “, vem da marimba e o “ndowa“da própria dança, que deveria terminar em queda, formando assim o termo mandowa.

Para dançar a Mandowa, não existe uma regra específica, a não ser simplesmente uniformizar os passos para a dança, ter os instrumentos musicais, os trajes que são compostos por: três capulanas, que por sua vez uma é amarada na cintura, a outra é colocada à volta do pescoço, e a terceira que é amarrada normalmente até o joelho, isto para as mulheres. Os homens seguem dançando com apenas duas capulanas, e um lenço que é usado para amarrar na cabeça.  O traje mais importante para dançar a Mandowa, são as capulanas, pois estas dignificam a cultura Moçambicana, e faz a diferença nas apresentações, explica Jaime  Muchanga.

O grupo Tagumanicanave

O grupo Tagumanicanave é um grupo de dança tradicional, que se localiza na província de Sofala, concretamente na cidade da Beira. O grupo pratica esta dança desde o ano 2009, e este é o único grupo jovem a nível da província de Sofala que pratica a mesma até os dias de hoje.

O Sr. Jaime explica que aprendeu a dançar a Mandowa desde criança, com o seu pai, que era coreógrafo da dança, mas que não se dedicava tanto à dança porque tinha de se focar mais na escola. Nos dias de hoje, Jaime  Muchanga, já com mais experiência, ensina a dançar a Mandowa, assim como a tocar os instrumentos musicais. No grupo Tagumanicanave, a dança é praticada por todas as faixas etárias, desde crianças, adolescentes, jovens, senhores e idosos, de modo que os mais velhos ensinem aos mais novos a dançarem este bailado assim como as outras danças que o grupo pratica.

A dança Mandowa permitiu ao grupo Tagumanicanave a conquistar diversos prémios em dinheiro, medalhas. Para garantir a continuidade desta herança, Jaime  Muchanga esforça-se para que os seus alunos aprendam a tocar os instrumentos e a dançar de modo que as próximas gerações conheçam a dança Mandowa e ensinem uns os outros. Shelton, no grupo há 7 anos, é um exemplo do trabalho inter-geracional desenvolvido pelo grupo, ele explica que aprendeu a dançar com o senhor Jaime e hoje também transmite esse conhecimento aos novos integrantes do grupo.

Escrito por Margarida Amadeu para Tsevele

Anuncie