tsevelelogo

terça-feira, 15 março 2022 19:39

N'kongue: mais uma marca gastronómica de Tete para o mundo

N'kongue ou dobrada de cabrito N'kongue ou dobrada de cabrito

A província de Tete no centro de Moçambique é tradicionalmente conhecida pela produção da carne de cabrito, como resultado do abundante rebanho que a província detém, sendo uma das maiores reservas de gado caprino ao nível do país.

Além da carne de cabrito, Tete apresenta uma vastidão gastronómica que vai desde a massa de farinha branca de milho com diversos tipos de caril, miudezas de cabrito conhecido por N´Kongue, peixe pende grelhado ou cozido e diversas verduras. O capenta seco é outro prato presente na gastronomia “Tetense”, assim como massa de farinha de mapira e de mexoeira.

O peixe pende é o mais concorrido dos pratos em Tete, para além da caldeira de cabrito junta-se também o Peixe Tigre, conhecido por N’tsene, onde as três variedades típicas, preparadas com rigor local dispensam qualquer equívoco, seja onde forem consumidas.

A gastronomia desta província é acompanhada pelas bebidas tradicionais como Pombe e Cachaça; são bebidas de fabrico caseiro mais preferidas pelos naturais de Tete, e muito procuradas pelos turistas.

São produzidas com diferentes ingredientes tais como farelo, açúcar, maçanica, farinha de mapira e de milho.

Neste artigo o N'kongoe, numa das fortes atracções gastronómicas dos "Tetenses". o seu valor cultural e nutricional, factos que tornam

N'kongoe é um prato delicioso confeccionado à base de dobrada de cabrito.  O que faz de N'kongoe um prato especial é a forma de preparação, que é característica daquela região do país.

Joana Costa é uma professora nativa da cidade de Tete, com a qual quisemos saber os modos de preparação de N'kongoe.

Ela explicou que após o abate do cabrito e posteriormente retirada do saco ou "estômago", lava-se e corta-se a mesma aos pedaços. Seguidamente, e depois de cortar o fígado em pequenas porções,  usa-se os pedaços do estômago para embrulhar os pedaços do fígado amarrando em jeito de fechar os "embrulhos".

Posto isso, e depois de preparar devidamente os temperos, (principalmente um sal que baste, cebola e óleo), leva se ao lume onde se deixa ferver até a cozedura, concluiu a nossa fonte.

Tal como fizemos referência anteriormente, o N'kongoe pode ser acompanhado por uma xima de Mexoeira ou arroz, ao lado das bebidas tradicionais da região.

O N'kongoe é bastante preparado em festas cerimoniais tradicionais para celebrar as conquistas dos nativos. Um pouco pelos estabelecimentos de venda de comida, o N'kongoe é servido não só aos nativos como também aos visitantes que escalam a província de Tete.

Os pequenos festivais de gastronomia realizados pelas comunidades locais contribuem para a imortalização deste prato, cuja ligação com os nativos remota desde os tempos dos antepassados, em parte por Tete ser uma região com muitos cabritos, facto que estimula a criatividade que leva à descoberta de variadíssimas firmas de preparar os derivados deste quadrúpede.

Escrito por Amadeu Quehá para Tsevele

Anuncie