tsevelelogo

terça-feira, 11 abril 2023 16:25

Neca: o desporto tradicional dos Moçambicanos

Neca é um jogo tradicional geralmente praticado por crianças e adolescentes para efeitos de diversão. O jogo é predominante em quase todo o país, mas este artigo explora as formas originárias e predominantes na zona sul do país.

Em conversa com Ecnácia Paulino, a jovem contou que brincou muito deste jogo na infância em seu tempo livre e durante as férias. Aprendeu a jogar a neca com os irmãos mais velhos e amigos da zona.

Como se joga a neca?

A neca é praticada em um espaço aberto, que permita a mobilidade dos jogadores, podendo ser um pátio. Desenham-se “casas” (quadrados) devidamente enumeradas para onde se lança uma malha (que pode ser uma pedra ou pedaço de mármore). O/a jogador/a mantém uma perna firme no chão enquanto atira a malha pelas “casas”. 

A Ecnácia explica que, para jogar a neca, é necessário que cada jogador/a tenha uma malha e habilidades ou firmeza nos pés., e os jogadores estão livres de usar a a sua “melhor perna”. “Há crianças e adolescentes que jogam melhor com o pé esquerdo e não direito, como é o meu caso”, diz ela.

O jogo pode ser realizado de modo individual (uma pessoa de cada vez) ou em equipas de, no mínimo, dois ou três jogadores, cada um a jogar na sua neca. Isto significa que devem ser riscadas necas correspondentes ao número de jogadores nas equipas.

Tipos de neca

A nossa entrevistada descreveu pelo menos três tipos de neca: neca Araul, neca Maputo e neca Inhambane.

Neca Araul

Neste tipo de neca são feitas seis (6) casas em forma vertical devidamente enumeradas. É jogada de maneira individual ou em equipas alternadamente. Dentre as necas supracitadas, a Ecnácia teve mais dificuldades para aprender a neca Araul, que é competitiva e interessante devido às suas exigências técnicas. Por exemplo, deve-se arremessar a malha somente uma vez por cada casa.

Para iniciar o jogo, o/a jogador/a pára do lado de fora da “casa” 1 com a sua malha na mão. “Eu prefiro que a malha seja de mosaico”, diz a Ecnácia, “porque é fácil de atirar”. A malha é lançada na “casa 1”, abrindo-se o jogo, depois para a “casa” dois, três e assim sucessivamente até ao número seis. Chegado à “casa” 6, o/a jogador/a põe a malha fora da neca e diz “Araul” e volta ao jogo em sentido contrário ou decrescente com a malha na mão. Quando o/a jogador sai da “casa” 1 diz “Cantiguete”. Em seguida, atira-se a malha para a casa 2 e repete-se o processo feito na casa 1 sucessivamente até que se termine de jogar todas as casas.

Terminadas as “casas”, o jogador pára de costas do lado de fora da casa 6 e atira a malha para a neca. O jogador ganha uma coroa na casa que tiver acertado e em seguida volta a repetir o jogo desde a casa 1. As coroas são desenhos a gosto feitos na/s respectiva/s casa/s coroada/s. Nesta fase, o jogador tem de fazer com que a malha não pare na casa já coroada – quando falha este procedimento, termina o seu jogo e cede espaço ao adversário.

A neca Araul, jogada em grupos, deve no mínimo ter duas ou três equipas a jogar, uma de cada vez. Se a equipa for composta por dois jogadores, são feitas duas necas, uma para cada membro dos conjuntos.

Segundo a Ecnácia, a diferença entre o jogo de equipa e o individual está no facto de, no primeiro, se um dos membros do grupo perder durante o jogo, por exemplo, atirando a malha duas vezes na mesma “casa”, ou a malha caindo em algum risco ou fora da neca, deve deixá-la no lugar em que está até o companheiro concluir o seu jogo. Caso o perdedor toque na malha enquanto o parceiro esteja ainda a jogar, ambos perdem a partida. Mas, se este ganhar, a equipa ganha e o perdedor pode voltar a tocar na malha. 

De lembrar que o ganhador (ou ganhadores) da coroa pode pisar na coroa com os dois pés, mas ao fazê-lo deve dizer “Maibota”, referiu a Ecnácia. Os adversários, porém, devem saltar a casa coroada e a malha não pode cair nela, senão perdem o jogo. Quando a equipa adversária termina de jogar, a outra retoma o jogo de onde parou, ou seja, da casa em que foi interrompido o seu jogo.

Neca Maputo      

É composta por oito (8) “casas”, sendo que as três primeiras devem ser desenhadas em sentido vertical, e por cima destas, na posição horizontal, ficam as casas 4 e 5. A sexta casa, em sentido vertical, fica por cima das casas 4 e 5 e é por fim sucedida pelas casas 7 e 8, na posição horizontal.

A neca Maputo pode ser jogada de modo individual ou colectivo (em equipas). O seu início é igual ao da neca Araul, mas, diferente desta, na neca Maputo pula-se a casa 1, na qual o jogador atirou a malha para abrir o jogo. Depois disso, o jogador vai pulando sequencialmente pelas restantes casas com um pé. Chegado à casa 7 e 8, o jogador faz o movimento em sentido contrário, isto é, da casa 7 e 8 até a casa 2, onde para e pega na malha que está na casa 1 e volta a pular a casa. Terminado o jogo da casa 1, o jogador repete o mesmo processo para as outras casas.

As restrições da neca Araul aplicam-se também nesta neca: o jogador não deve pisar e nem a malha parar nos riscos da neca, e tampouco esta deve escapar da neca. Caso o inverso aconteça, o jogador perde o jogo e é substituído pelo parceiro. No jogo em grupo, se um dos membros da equipa infringir as restrições acima, tem de esperar que o seu par ganhe para voltar a tocar na sua malha, mas caso o companheiro erre, ambos perdem e dão espaço para a outra equipa. Refira-se que é só depois que o adversário sai que o perdedor torna a jogar na casa em que parou.

Finalizado o jogo em todas as casas, explica a Ecnácia, o jogador repete o mesmo processo feito da casa 1 até a casa 8, mas em sentido inverso, isto é, da casa 8 até a número 1. Depois o jogador pára de costas por fora das casas 7 e 8 e atira a malha para a neca. Se esta for a cair numa das casas, o jogador ganha uma coroa, e se não, perde.

Quando iniciado um novo jogo, o vencedor da coroa não pode atirar a malha para a casa coroada, mas pode pisar a casa. Os adversários, porém, estão proibidos disso e de colocar a sua malha na casa, caso contrário perdem o jogo.

Neca Inhambane

A neca Inhambane é composta por 6 casas dispostas de forma vertical, mas, diferentemente da neca Araul, as casas estão dispostas em duas colunas, cada uma com três casas.

Não muito diferente da Araul, nesta neca o jogador, parado diante da casa um (1), atira a malha nesta casa, processo que se repete para as outras casas quando finaliza o jogo da casa 1. “De sublinhar que, na neca Inhambane, o jogador pode arremessar várias vezes a malha dentro da mesma casa até terminar o seu jogo”, diz a Ecnácia.

Tendo passado com sucesso por todas as casas, o jogador pára do lado de fora das casas 1 e 2 e, de olhos vendados ou fechados, posiciona os pés na casa 1 dizendo “Esquemé”, que significa “Pisei”. Os outros jogadores respondem “Sim” caso o jogador tenha pisado num dos riscos da neca (com isso é o fim de seu jogo e espera pela próxima vez), e “Não” se não tiver pisado no risco, no sentido de que ele pode continuar a passar pelas restantes casas.

Quando termina de passar pelas casas, o jogador pára de costas do lado de fora  da neca, desta vez fora das casas 3 e 4 com a sua malha na mão, que é para poder tentar acertar em alguma casa. Caso acerte, o jogador ganha na casa uma coroa.

Para o jogo em equipas, se um dos adversários pisar no risco estando de olhos vendados, o outro integrante da equipa passa pelas casas repetindo o mesmo processo e, se este pisar no risco, ambos perdem, caso não, ambos ganham e podem assim avançar para a próxima fase do jogo.

Tanto na neca Araul, Maputo e Inhambane, o jogador ou a equipa que tiver o maior número de coroas ganha o jogo. 

Escrito por Margarida Amadeu para Tsevele

Anuncie